de volta

Já não venho aqui há muito tempo, não tenho tido grande vontade...
Mas como voltei há 3 dias da Holanda, não posso dizer que não tenho nada para contar.
Adorei, seria capaz de viver lá. Seria capaz de fazer as malas e partir amanhã.
Voltar a esta terrinha depois de ter visto coisas tão mais interessantes, a cidades funcionar melhor, pessoas a trabalhar com um ar feliz, onde tudo parece fluir com tranquilidade, naturalmente,..., custa. Mas também isto há-de passar.

no meio de tanta coisa, nem aqui vim...

porque tenho andado muito ocupada
porque recomecei a ginástica três vezes por semana
porque comecei a ensinar português uma vez por semana a 10 alunos
porque ando a planear viagens a Amsterdão, Paris e Londres e claro Biána nos próximos meses
e porque, no meio de tudo isto, sou arquitecta
e ainda tenho a minha casinha, o meu pi e as minhas amigas...
....é muita coisa, mas ainda bem!

encontros e despedidas *

Mande notícias do mundo de lá
Diz quem fica
Me dê um abraço
Venha me apertar
Tô chegando
Coisa que gosto é poder partir
Sem ter planos
Melhor ainda é poder voltar quando quero
Todos os dias é um vai-e-vem
A vida se repete na estação
Tem gente que chega pra ficar
Tem gente que vai pra nunca mais
Tem gente que vem e quer voltar
Tem gente que vai e quer ficar
Tem gente que veio só olhar
Tem gente a sorrir e a chorar
E assim chegar e partir
São só dois lados da mesma viagem
O trem que chega é o mesmo trem da partida
A hora do encontro é também despedida
A plataforma dessa estação é a vida desse meu lugar
É a vida
*Maria Rita

De volta a Itália

Voltei sem conhecer o meu sobrinho mas descansei, diverti-me e estive tranquila.
Foi a primeira vez que fui a Viana e estive relaxada. Fiz tudo o que quis sem pressas, sem correr, sem renunciar a nada, nem ao sono.
E foi também a primeira vez que voltei a Foligno com a plena sensação de voltar a casa.
Embora muitas forças me atraiam a Viana, e sei que me atraírão para sempre, neste momento é aqui que tenho e quero estar. Porque o que eu quero é estar pertinho de ti.

não sei se já disse isto...

...corro o risco de me tornar repetitiva, eu sei.
Dizem que me estou sempre a queixar, que tenho sempre uma dorzinha, uma coisinha, um aizinho e se calhar é verdade. Aliás, já me começo a cansar de ouvir a minha vozinha, arrastando-se, a dizer "está tanto calor..."
Mas a verdade é que desde o inicio de Agosto a temperatura oscila entre os 35 e os 40 graus e para mim 30º já é muuuuuuito quente...
Não paro de suar, tenho sono, sinto-me cansada, a tensão está baixa, o corpo moído, a garganta arranhada de seca, a cabeça pesada...tenho a sensação ou que me bateram ou que estou doente.
Quero o inverno. Ou então um ar condicionado no gabinete. Ou então que chegue depressa dia 11 para sentir a brisa do Oceano. Ou até mesmo a nortada. Não importa.
...depois de 7 dias a acordar sem horários, voltar a adormecer ao som das ondas, sentir o sol a aquecer a pele e a água a refrescar, sentir o vento fresco no alpendre, passear, descansar, relaxar, ...
...voltamos ao trabalho e ao calor infernal de Foligno...
...mas com muito mais energia e vontade!

como em Setembro nasce o meu sobrinho

e em Setembro casa a Filipa

  • e ainda em Setembro faço anos





de 11 a 21 de Setembro estarei por terras lusas.




(vê lá vasquinho, não nasças depois de dia 20...se não só nos conhecemos no Natal)

Portugal em Italia e Itália e Portugal

Ora bem...já não escrevo há uns tempos. Mas tenho boas desculpas.
Até dia 6 andei muito atarefada a despachar trabalho porque chegava o sr. designer a terras italianas.
Estivemos três dias em Roma, a massacrar os pés e a regalar a vista.
Depois viemos para a verde Umbria saciar a gulodice e respirar calma.
Dia 10, dia de Portugal, chegou mais uma tuga para animar a festa!
Andamos, durante três dias, a passear, a ver as cidadezinhas e a paisagem, a fazer aperitivos e a festejar a Quintana, a meter a conversa em dia e a rir e a estar em silêncio.
Dia 12 lá partiu o foquinha...mas eu e a farfallina continuamos por aqui e sabado de manhã fomos para a nossa Ferrara...rever...recordar...nostalgia...saudades.
Dia 15 despedimo-nos e voltamos todos a casa... Soube muito bem ter um bocadinho de Portugal aqui...
E agora continuo a despachar trabalho porque amanhã vou a Viana! Desta vez serão os italianos a ir a Portugal!

a uma "principessa" muito especial

(...)
Mas não tem revolta não
Eu só quero que você se encontre
Ter saudade até que é bom
É melhor que caminhar vazio
A esperança é um dom
Que eu tenho em mim
Eu tenho sim
Não tem desespero não
Você me ensinou milhões de coisas
Tenho um sonho em minhas mãos
Amanhã será um novo dia
Certamente eu vou ser mais feliz *
É exactemente assim que quero que penses, que te sintas, minha querida. Sei que é dificil acreditar agora, mas tudo acaba por passar e tu és possitiva, optimista, solar...basta procurares dentro de ti.
Tenho muita pena de não estar contigo agora, dar-te um xi e muitos miminhos, ouvir-te, e quem sabe, até rir contigo como tantas vezes fazemos quando estamos juntas...mas tenho-te sempre nos meus pensamentos e coração e espero que tu me consigas sentir perto, pertinho...
Adoro-te.
* Sonhos, Caetano Veloso

nova rotina

acordar às 7.00
ir correr para o rio até às 8.00
banho, pequeno-almoço, partir
começar a trabalhar às 8.45
pausa café às 11.30
pausa almoço das 13.30 às 15.00
voltar para casa às 20.00
jantar, arrumar e,....
...adormeçer no sofá.

e, mais uma vez,...

...de 19 a 26 de Junho vou a Viana matar saudades!
Mas desta vez levo o Pi e os meus sogros comigo que estão muito curiosos por saber como é esta terra minhota onde nasceu uma certa portuguesinha, ansiosos por rever os compadres e conhecer o resto da familia.(cães incluidos).
O clã Conti parte de Itália comigo e voltam mais cedo, deixando a minhotinha a matar as saudades por mais uns dias!
Falta pouco mais de um mês, e como o tempo voa...
...até já!

tanti auguri a noi

como tanta coisa mudou em 3 anos...
estava eu tranquila, na minha vidinha...
a surpresa
o turbilhão
a distância
a partida
morar juntos
trabalhar juntos
cada vez mais perto, cada vez mais feliz!

hoje é o primeiro dia do resto na nossa vida

Está decidido. E isso é o mais importante. Tomar uma decisão, levantar a cabeça e não olhar para trás. Deixar de pensar nos "ses", nos "talvez" e passar à acção.
Pensamos durante muito tempo no que fazer da nossa vida. Hoje ficou decidida:
Trabalhamos juntos, no nosso gabinete. Estamos a construir a nossa vida juntos, em todos os sentidos.
Não importa o meio para chegar a este fim. Decidimos assim e está decidido, mas sabe sempre bem saber que gostaram do meu trabalho e queriam que continuasse onde estava, mesmo que para tal me tenham feito uma proposta em termos "práticos" pouco aliciante...mas num período destes é sempre bom saber que temos uma porta onde ir bater.

Ontem à noite...

...depois de ter saído do trabalho onde me acaba o contrato sexta-feira e que, muito embora antes da Páscoa tenha perguntado ao chefe o que fará e novamente quinta-feira passada à uma da manhã, hora que saí do gabinete, ainda não obtive uma resposta e por isso não sei como será a minha vida a partir de dia 26;
...depois de ter ido ao supermercado com as tonturas que me têm acompanhado desde que voltei das termas;
...depois de ter arrumado as compras e de ter ido dar uma volta a pé para espairecer;
...depois de ter relaxado com o banho e jantado:
fiquei com a sala alagada porque o cifão da cozinha estourou...
...depois de ter passado o fim-de-semana a limpar a casa a fundo.
Há muito tempo que não relato um acontecimento, ou sequência de acontecimentos. Antes era muito mais descritiva. Talvez tenha menos novidades para contar. Talvez tenha menos paciência para escrever. Talvez tenha menos tempo. Talvez.
A verdade é que agora tenho vontade de relatar o último fim de semana prolongado porque foi muito bom.
Começou sexta-feira, dia 10 de Abril, às 18:30.
Sair do gabinete aos pulinhos, bem depressinha, qual coelhinho contente com a chegada da Páscoa.
Organizar a partida. Jantar. Cinema ver um filme que pensava que era ligeiro mas afinal não. Dormir.
Acordar cedo. Ao contrário do que diziam as previsões do tempo, estava sol! Despedidas e seguir para Roma.
Encontro com tios Gonçalo e Cristina na Piazza Navona. Almoço. Passeio. Gelado. Despedida. Foi bom, muito bom!
Carro até Saturnia. Procurar B & B. Sentir o cheiro a ovo podre das termas. Começar a chegar à terra de ninguém. Rir como perdidos da ilusão da internet! Encontrar B & B e a sua dona maluca. Rir. Ver que afinal até tivemos sorte: dormir na suite com vista sobre o panorama Toscano.
Instalar. Arranjar. Sair para jantar noutra terra de ninguém. Comer bem. Dormir.
Acordar cedo mas sem despertador. Pequeno almoço. Termas. De molho nas águas sulfurosas a 37º das 10.00 às 16.00. Passeio a pé. Sesta. Arranjar. Sair para jantar. Comer bem e voltar ao B & B a rir como perdidos com as pessoas da terra de ninguém. Genuínas, puras, hospitaleiras, caricatas. Dormir.
Acordar cedo mas sem despertador. Pequeno almoço. Partir.
Pausa em vários pontos da alta Marema: Sovana, Sorano e Pitignano.
Pausa em Civita di Bagnoreggio, a cidade que está morrer. Almoçar às 15.00 depois de esperar uma hora pela mesa.
Rumar a casa. Descansar.
Baterias carregadas.
Pele ainda a cheirar a ovo podre das termas...
As fotografias ficam para a proxima.

2 bons fins de semana 1 inicio de semana assustador...

Estes dois últimos fins de semana foram muito bons.
O primeiro aproveitei para descansar. Estive comigo mesma e com amigos, dormi e passeei. Deixei-me estar e fiz. Vivi com alegria o fim de semana sem nada para fazer já que nos anteriores tive de ir trabalhar para o gabinete onde estou.
No segundo estive em Roma. Estava sol, calor e passeamos muito, muito! E haverá cidade mais romântica? ROMAAMOR
Mas, de um momento para o outro, tudo desvanece...Acordar a sentir a terra a tremer...Aqui onde estou não aconteceu nada, mas sentiu-se e ainda se sente a terra a tremer mas sobretudo sente-se muito por quem está a viver este pesadelo...

Che tempo che fa...

Não escrevo há muitos dias...demasiados, eu sei.
Mas como uma pessoa que tem pouco à vontade com outra, neste momento só me ocorre falar do tempo. Está maluco...Já não existem meias estações...Sim, sim, é verdade. Então não é que neste fim de semana nevou e no anterior andava só de camisa? E hoje? Hoje choveu torrencialmente...
Mas a verdade é que passaram 23 dias desde o ultimo dia em que escrevi. Aconteceram algumas coisas, até porque entretanto melhorei, voltei ao trabalho, à vida fora de casa.
No dia 8, dia internacional da mulher, fui a um desses jantares só de mulheres onde aflora todo o ridículo que temos dentro. Na altura pensei num post sobre o assunto, mas depois meteu-se um ritmo alucinante de trabalho no gabinete onde estou, com sábados e domingos empenhados e portanto fui adiando...
E mais uma vez o tempo...como corre! Porque na semana passada comemoramos 1 ano que moramos juntos. Pensei também num post mas entretanto começamos a pensar mais seriamente na nossa vida pela noite dentro e fui dizendo "depois".
Agora tenho de organizar as ideias. E para poder contar preciso de tempo...
...para pensar

Será que posso ser devolvida?

Não saio de casa há 5 dias.
Minto. Saí duas vezes de casa. Uma para ir ao médico de família na sexta que me disse que devia ter um vírus gastro-intestinal e para continuar a ben-u-ron e que no ouvido do qual me queixava não via nada, e sábado, para ir ao centro de saúde porque durante a noite não dormi nada com dores de ouvido "saudável". Afinal tenho otite e ninguém sabia! Agora espera-me uma semana de antibiótico E ben-u-ron...
Das duas uma: ou me estão a ir todas as doenças de uma vez só, todas aquelas que nunca tive (é a primeira vez que tenho otite na minha vida, ou pelo menos que me lembre e acho que dores como tive ontem são difíceis de esqueçer...) e aquelas que já não tinha há muitos anos (já que a última vez que estive tantos dias seguidos fechada em casa foi no Inverno de 2002...) ou então é a mãe natureza a comunicar que sou um vírus andante e que devo ser devolvida!...
Claro que tenho sido muito bem tratada. Corro até o risco de nunca mais me curar de tão "melada" que me deixam. Mas a verdade é que quando se está doente não há nada como os aconchegos na cama da mãe e as bebidas milagrosas do pai!...

Doi doi...

Estou há dois dias em casa, doente. Provavelmente com um virus. Febre, dor de garganta e vomito.
Já devia ter vindo aqui há uns tempos, para contar as coisas divertidas que me aconteceram ultimamente. Ter ido a uma festa de carnaval sábado cujo tema era cartoons e filmes vestida de "O Diabo Veste Prada". Ter passado o domingo a passear e ter ido a Cortona. Ter ido a outra festa de carnaval vestida de mulher de traficante de droga e o Filippo de traficante. Mas não me apetece...só me apetece voltar para a cama!
E nada mais...

o verdadeiro D-O-M-I-N-G-O

Sei que o domingo é um dia que deprime muitos. Mas eu sempre gostei do domingo. É o dia de nada fazer...E gosto que assim seja. Nunca o senti como o dia antes da segunda.
No entanto, tenho trabalhado sempre ao domingo, e isso não é normal...
Hoje não. Acordei com calma, estive na net em pijama e a sentir o sol a entrar pela varanda, almoçei um maravilhoso almoçinho da avó do Pi e fui passear com uma amiga. Vimos um belo filme no cinema, jantamos e agora estou em casa a preparar-me para me enrrolar numa mantinha para ver quentinha uma serie na tv!
Tu não estás...mas o próximo domingo será o nosso domingo, aquele pelo qual esperamos há tanto...
in bocca al lupo...

Frio, neve e mais frio....

Ontem nevou.
Depois de muito sacrifício fazer para me levantar da cama, já que era sexta-feira de uma semana de 12 horas de trabalho diário, tive a recompensa quando abri a janela e vi o parapeito cheio de neve.
Procurei a máquina fotográfica mas apercebi-me que a tinha deixado no nosso gabinete, o telemóvel tinha ficado no outro e por isso não pude fotografar o momento...
Fica registrada a emoção e a sensação de paz que provoca a neve. O branco. O silêncio.
Hoje o céu está limpo. Azul. O ar gelado. Passeei na margem do rio, ao sol e fiquei com as orelhas a doer!

Isto de ser EU tem destas coisas...

Tantas vezes sinto-me sozinha neste país que não é o meu...Penso nas pessoas que me são queridas e das quais estou longe, nas coisas que tinha e que agora me fazem falta, na vida que vivia e questiono-me se fiz bem em fazer as malas e partir para esta Itália que não é minha...e que nunca será porque eu sou Portuguesa, ou melhor, Minhota e esta é uma característica que nem um resto de vida aqui me poderão apagar. Tenho a certeza.

Penso muitas vezes nisso...na "propriedade" do que agora me rodeia, e na falta dos "bens" tugas...e muitas vezes deixo-me ofuscar pelas saudades...

Sei bem que em Viana também não estava bem, não me sentia completa. Faltava-me uma parte muito importante...No fundo tenho a certeza que fiz bem em partir e que se estivesse em Portugal não estaria bem, assim como não estaria se voltasse. Mas sou assim, exagerada, radical, contraditória, histérica,...sei lá...e, tal como muitas vezes me fazem notar, esqueço-me das coisas.

Esqueço-me de quanto me lamentava da pequenez de Viana, das saudades, do vazio da ausência do Filippo...
Esqueço-me como ele me faz feliz
Esqueço-me de ver como tem paciência para os meus ataques de nostalgia
Esqueço-me de me lembrar que sou feliz aqui pelo simples motivo que estamos juntos, a construir uma vida a dois...
Tenho os vidros embaciados pelas saudades e esqueço-me que quando estava em Portugal também estava longe dessas queridas pessoas porque nos víamos pouco e ofusco o coração misturando os sentimentos e metendo em causa tudo...

trabalho, trabalho e mais...trabalho

De há uns 15 dias dias a esta parte que não escrevo aqui.
De há uns 15 dias a esta parte que só trabalho.
Trabalho de manhã, trabalho de tarde e supreendentemente trabalho de noite o que faz oficialmente da minha vida uma vida dedicada à arquitectura...Sim, porque acordar cedo para mim é um prazer e trabalhar não me mete medo mas ver-se a Ritália a trabalhar noite dentro não é normal, é sabido. Só pode querer dizer que não tinha outra hipótese! Era isso ou não entregar o trabalho do CCa...De maneira que, tendo a loucura acabado às 4 da manhã da noite de quinta para sexta, ontem era um trapo andante...
E assim, não tendo nada de mais interessante a reportar sobre a minha vida italiana, deixo-vos. Tenho de voltar ao autocad...4ª-feira a tenho entrega de outro concurso, desta vez pelo outro gabinete, onde, a propósito, me renovaram o contrato por mais 3 meses...isto vai às pingas para poupar os trocos deles e gastar os meus nervos...

Com uma semana de atraso




No fim de semana passado visitamos San Gimignano e as suas 14 torres...ainda que eu não as tenha conseguido fotografar todas juntas!
Andamos a passear pela Toscana e fomos até Florença para conhecer o mais novo primo do Filippo. Foi bom, tranquilo, relaxado, sem pressas, para recarregar baterias para uma semana que se adivinhava preenchida. E foi...