Entre futebol, a morte e a vida.

Passei os 90 min de jogo e os primeiros 15 de prolongamento cheia de esperança e de nervos. Como boa portuguesa aos 110 min, quando a Espanha começou a mostrar as garras, encolhi-me no sofá. Depois foi ver o que se viu...
É claro que fiquei triste e com aquele sabor amargo na boca que todas as almas lusas ficaram. Mas hoje à noite tive a minha recompensa. Voltei a encontrar-te em sonhos.
Na nossa casa ainda se entrava pela porta lateral e o ambinete era de festa. Estava a voltar de Itália e a tia Helena vinha-me a falar de uma receita de bacalhau. Foste a primeira pessoa que vi ao abrir a porta, estavas à porta da cozinha, com uma t-shirt branca e os cabelos curtinhos e não abrimos boca. Ficamos só abraçados, e abraçamo-nos sempre e cada vez com mais força. Dei-te um beijo no pescoço e tu de lado nos meus cabelos. Senti o teu cheiro, que já não era de roupa lavada ou do teu prefume, mas de jasmim. E senti uma paz imensa.
O despertador tocou e eu fiquei ali, deitada na cama em êxtase. Feliz, calma e sem a sensação de angústia que antes sonhar contigo me trazia.
Sim, porque desde aquela noite de 6 para 7 de Maio quando tu, antes de todos, me deste um beijo na testa e me disseste Parabéns, vais ser mãe! nunca mais pensar em ti, e na tua morte, me deixou com um aperto imenso no coração. Continuo triste, é claro, mas agora tenho uma vida a crescer dentro de mim, e isso dá-me muita força.

o melhor do Europeu de futebol

Ter um maridinho que sabe o hino nacional português de cor e que o canta logo pela manhã seja em versão original seja sem versão italiana.
Estar a aprender o hino italiano. Já me faltam poucas palavras para o saber tudinho.
Ver os jogos com os comentários do meu paizinho em directo no telemóvel.
Ter a minha seleção a jogar bem e a minha segunda seleção também.
A esperança de ter um  Portugal-Itália na final e poder pintar a cara com as cores nacionais e a barriga com as duas bandeiras.

Está a ser ótimo este Europeu, sim senhor!


Uma vez por ano

tenho que vir aqui para me queixar do calor.
É que não se aguenta...às 9 da manhã já estão 28º à sombra. Vento nem ponta dele e por volta das 12h tocamos os 36º.
O meu corpo não aguenta isto. Mil vezes o Inverno...

Pronto, afinal o Cristiamo Ronaldo até faz alguma coisa!

E ontem gostei muito de vê-lo jogar. Até merecia ter marcado mais.
E que agora Portugal continue assim, que está muuuuuuuuito bem. Até as mudanças de penteado a meio do jogo ganham um sorriso carinhoso! Oh p'ra ele tão lambidinho depois do intervalo!

Não percebo nada de futebol

admito. Muitas vezes nem sei para que lado têm que correr os jogadores. Mas gosto de ver a seleção. É Portugal, pronto!
E volto a repetir que não percebo nada, mas eu tenho que dizer que do Cristiano Ronaldo não gosto nada! Ele até pode ser muito bom lá no Real Madrid, não sei que não vejo. Mas na seleção era melhor que não estivesse! Não faz nada. Não, minto, faz! Reza aos céus, faz fitinhas, abre muito as pernas quanto tem de marcar livres ou lá o que é, bufa aos santinhos, e depois...bola ao lado, acima, e só não é para baixo porque as leis da fisica e do campo de futebol não permitem.
Se calhar tenho má memória, mas ele já marcou algum golo por Portugal?
E pior...é capitão da equipe. Porquê? Porquê, sr. Paulo Bento? (e este também daria pano para mangas...)
Um capitão que é um campeão lá fora e cá dentro não faz nada e ainda por cima vai dizer que se tivesse uma mala cheia de dinheiro (se? se tivesse? porquê, não tem?) apostava na Espanha. Na Espanha? Vergonha nessa cara uma vez cheia de borbulhas! Ah, pois, se calhar gastou as malas todas de dinheiro a tratar do acne...

E 6 meses depois...

...finalmente tenho a carta de condução italiana.
SEIS MESES para acabar com a carta portuguesa e ter a carta italiana. Que eu nem queria, gosto de ter todos os documentos tugas e tive que destruír a carta, mas aqui existem estas regras estranhas e muito convenientes para o estado italiano visto ter gasto uns bons 150 euros com esta brincadeira.
Eficiente, ahm? E logo a mim tinha que me tocar ter mais documentos italianos que portugueses na carteira?