La casa in via del Campo

Cantada pela Amália Rodrigues, embora aqui achem que é Rodriguez. Deve ser porque, para muitos Italianos, Portugal é uma região de Espanha, ou coisa assim!
De qualquer das formas, não deixa de ser uma grande coincidência que A fadista tenha cantado sobre uma casa na Via del Campo. E já agora, e também sobre Viana.

Estou mortinha que chegue hoje à noite...

...para poder ficar em casa sossegadinha.
É que desde a semana passada que não tenho parado. Com 4 entregas,  muito antibiótico, um calor africano (como aqui o chamam) e a abertura das Tavernas. De maneira que na semana passada andei a trabalhar como uma maluca quando devia ter estado em casa a descansar para recuperar bem-bem, no fim de semana não parei e desde segunda que não faço uma refeição em casa. Ele almoçar à pressa, jantar fora e voltar tarde. Claro que depois de um dia de trabalho sabe muito bem ir sair com amigos, mas...
Bem, digamos que estou um bocadinho fartinha disto, que as entregas já acabei e que hoje à noite ninguém me tira do sofá!

The sound of sunshine

Ainda não decidi se acho esta música muito pirosa ou super gira, só sei que me anima, como o sol, e é disso que eu preciso. Preciso muito. Por isso aqui vai!

Rrrita

Ter um sobrinho meia-leca, ainda de fraldas, que diz o meu nome à homem é comovente. Olá titi Rrrrita! assim, com os erres todos. Nada de Ita, Tita, que isso não é nome de gente. A minha tia chama-se Rita e portanto aqui vai disto!
Ah, Cameirinha valente! Sai à tia (babada)!

Oficialmente fora de forma #2

Isto deve ser dos antibióticos. Eu quero acreditar que sim. Só pode ser. Se não é muuuuuuuuuuuito preocupante.
É que ontem fui a pé do gabinete para casa, que são quê? 1,5 km? 20 min a pé? E hoje estou cheia de dores nas pernas. Mas tipo de quem esteve a fazer horas e horas de ginástica...
Só pode ser de estar há quinze dias a antibiótico, ou melhor, de andar a tomar bombas de mês a mês há quase um ano. Só pode ser disso. Não pode ser velhiçe! Ainda no outro dia me deram 24 anos...E quase 30 ainda são poucos, caramba!
Iamos a passear pela rua, debaixo de um sol abrasador, e, com uma espécie de festa-cocega, disse:
Minha Kuatinha!
Olhei para ele a rir e exclamou:
Ah, já sei o que queres para os teus anos!!! Mas vais ter que vir comigo à loja....
Ah sim? E onde é que vai viver?
Os óculos de sol novos?
Sim, também não me importo, acho que vou gostar muito, mas se tivesse pelo, quatro patas, uma cauda e orelhinas felpudas ia gostar ainda mais!

5-9

Nunca mais os meus sonhos foram como antes, como já uma vez disse. E a noite de hoje foi exemplo disso.
Fartei-me de ter sonhos agitados, confusos, e lá pelo meio não podias faltar tu.
Quando falo contigo, ouves-me de onde estás?
Não...nunca te ouvi a falar comigo. Não posso ouvir ninguém onde estou. Mas estou aqui agora, diz-me o que tens para me dizer!
Assim de repente não me lembro de nada...É tanto...Ou se calhar nada de especial.
Ah, então, se te sabe bem, continua a falar comigo, pode ser que um dia te ouça.
E começaste a ir embora, depois de me dares um abraço longo muito profundo.
Quando já te via bem lá ao longe lembrei-me:
Há uma coisa que quero saber! Qual é a tua password?
Mas tu já não me ouviste...

Com um nó na garganta levantei-me da cama e começei o meu dia com o pensamento fixo nesta conversa. Quando liguei o carro ouvi:
Emancipate yourselves from mental slavery
None but ourselves can free our minds*

Lembras-te? Uma vez disseste-me Este gajo era um génio! Já ouviste bem o que dizia? E então cantaste-me a letra toda devagarinho para que tivesse tempo de a traduzir...Nunca, como hoje, estas palavras tiveram tanto sentido para mim. Não posso deixar de pensar que, se calhar, ouvi-las logo de manhã é um sinal, e no meu sonho não me dizias a verdade. Se calhar, onde estás, consegues-me ouvir...

* Redemption song Bob Marley